fbpx
imagem do carregador
Plan de beneficios en salud 2021

Atualização do Plano de Benefícios de Saúde para 2021, o que mudou?

Ornella Moreno

Ornella Moreno Mattar
Administrador de Saúde,
Mestre em Políticas Públicas,
liderança da economia da saúde

Por meio da Resolução 2.481 de 2020, o Ministério da Saúde e Proteção Social atualizou o Plano de Benefícios de Saúde cobrado da Unidade de Pagamento por Capitação - PBSUPC. Esta atualização define todas as tecnologias que compõem o PBSUPC a partir de 1º de janeiro de 2021

Por que esta atualização está sendo feita?

De acordo com o artigo 25 da Lei 1438 de 2011, a autoridade administrativa competente deve atualizar o Plano de Benefícios de Saúde Cobrado da Unidade de Pagamento por Capitação -PBSUPC integralmente a cada dois anos na atenção às mudanças no perfil epidemiológico e carga da doença da população, disponibilidade de recursos, equilíbrio e medicamentos extraordinários não explicitados no Plano de Benefícios (1).

 

O Decreto 2.562, de 2012, no artigo 2º, estabelece que a autoridade administrativa competente para a atualização do PBSUPC é o Ministério da Saúde e Proteção Social, devendo esta instituição “definir e revisar, pelo menos uma vez por ano, a lista de essenciais e genéricos medicamentos que farão parte dos Planos de Benefícios ”(2). Com a edição desse regulamento, o Ministério da Saúde publica desde 2013 a atualização anual do Plano de Benefícios por meio de atos normativos (vide tabela 1).

 

PBS 2021

Fonte: Site do Ministério da Saúde e Proteção Social:
https://www.minsalud.gov.co/salud/POS/Paginas/plan-obligatorio-de-salud-pos.aspx

 

Em cumprimento a esse normativo, em 24 de dezembro de 2020, o Ministério da Saúde publicou a Resolução 2.481 de 2020 “Pela qual os serviços e tecnologias de saúde financiados com recursos da Unidade de Pagamento por Capitação (UPC) são integralmente atualizados” (3), a qual firma vigorar em 1º de janeiro de 2021.

 

O que muda com esta atualização e o que permanece o mesmo?

No teor da norma, foi incluído o parágrafo 5º do artigo 25, que se refere ao período de internação, referindo que “A internação prolongada não será financiada com recursos da UPC quando for por cuidados outros que não a saúde”, seja por ausência social ou um abandono social ”.

 

Além disso, o artigo 56 não se refere mais apenas à prescrição de medicamentos de acordo com as Diretrizes de Prática Clínica, mas sim com as Boas Práticas de Prescrição.

 

Em relação à estrutura dos anexos, desde 2018 as resoluções de atualização do PBS possuem três anexos técnicos que são classificados da seguinte forma:

 

  • Anexo 1 "Lista de medicamentos financiados com recursos UPC"
    • Seção A1. Financiamento com recursos UPC por medicamento.
    • Seção A2. Financiamento com recursos da UPC para medicamentos por subgrupos de referência.
    • Seção A3. Financiamento com recursos da UPC para medicamentos com critérios específicos.
    • Seção B. Medicamentos para programas especiais de saúde pública.
    • Seção C. Financiamento com recursos UPC para outros produtos.

 

  • Anexo 2 "Lista de procedimentos de saúde financiados com recursos UPC"

 

  • Anexo 3 "Lista de procedimentos de laboratório clínico financiados com recursos UPC"

 

As Seções A3, B e C do Anexo 1 não tiveram ajustes na atualização para o ano de 2021 (Resolução 2.481 de 2020) em relação aos regulamentos anteriores. Seções A1, A2 do Anexo 1, bem como os Anexos 2 e 3 se houver alterações.

 

Quais são os novos medicamentos e procedimentos incluídos?

Esta atualização do PBSUPC para 2021 tem um precedente particular, ao longo de 2020 a via administrativa de pagamentos de medicamentos não PBS foi reestruturada, incluindo o cenário dos Orçamentos Máximos no setor saúde.

 

Este antecedente é importante porque, segundo o Ministério da Saúde, durante 2020 de todos os medicamentos reconhecidos no país com recursos públicos, o 61% foi financiado com UPC e os restantes 39% com Orçamentos Máximos. Com a atualização para 2021, o 73% desses medicamentos será financiado com UPC e o outro 27% com Orçamentos Máximos, facilitando assim a interação entre prestadores e seguradoras (4).

 

Entre as mudanças para cada anexo estão:

 

Anexo 1. Lista de medicamentos financiados com recursos UPC (SEÇÃO A1):

Esta seção é a mais extensa, pois inclui 498 medicamentos financiados pela UPC (36 a mais que no ano anterior), entre os quais estavam incluídos medicamentos para indicações como diabetes mellitus tipo II, artrite reumatóide, artrite psoriática, câncer de mama, próstata, endometriose e mioma uterino.

 

Dentro dos ajustes, também foram eliminados os usos condicionais em 55 medicamentos e foram incluídas novas formas farmacêuticas para 45 medicamentos, permitindo seu uso em outras populações, por exemplo, a pilocarpina, que tinha exceção nas formas farmacêuticas para uso oral, agora está em todas as dosagens e formas de dosagem.

 

Nesta seção, o anexo técnico fornece quatro esclarecimentos:

para. Os medicamentos com princípios ativos, concentrações e formas farmacêuticas descritos nesta seção fazem parte do mecanismo de proteção coletiva e são financiados com recursos da Unidade de Pagamento por Capitação (UPC).

b. Os medicamentos não explicitamente descritos também são financiados com recursos da UPC se cumprirem o disposto no artigo 129.º deste diploma administrativo.

c. Os medicamentos sem esclarecimentos são financiados com recursos da UPC em todas as indicações autorizadas pelo INVIMA nos termos do art. 40 deste ato administrativo.

d. Se um princípio ativo não for explicitamente encontrado na seção A1, deve-se levar em consideração que pode ser financiado e descrito no financiamento com recursos da UPC em outra seção do anexo 1 ou descrito nos artigos deste ato administrativo.

 

Anexo 1. Lista de medicamentos financiados com recursos UPC (SEÇÃO A2):

Nesta seção, 18 subgrupos de referência listados abaixo foram incluídos:

  • A10BD - combinações de medicamentos hipoglicêmicos orais
  • A10BJ - análogos de peptídeo semelhante ao glucagon tipo 1 para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2
  • A12CB - Zinco
  • B03AD - ferro em combinação com ácido fólico
  • C01DA - nitratos orgânicos
  • C03EB - diuréticos de teto alto e agentes poupadores de potássio
  • C07AG - agentes bloqueadores alfa e beta
  • C08GA - bloqueadores dos canais de cálcio e diuréticos
  • C09BA - inibidores da ECA e diuréticos
  • G03XC - moduladores seletivos do receptor de estrogênio
  • H01AA - ACTH
  • J01CR - combinações de penicilina, incl. Inibidores de beta-lactamase
  • L02BA -antiestrogênios
  • N03AB - derivados de hidantoína
  • N03AG - derivados de ácidos graxos
  • N05AX - outros antipsicóticos
  • N06AB - inibidores seletivos da recaptação da serotonina
  • P01AC - derivados da dicloroacetamida.

 

Anexo 2. Lista de procedimentos de saúde financiados com recursos UPC:

Procedimentos como reparos vulvar ou perineal, estudos de elasticidade do tecido, manometrias esofágicas e imunização contra alergia foram incluídos neste anexo.

 

Anexo 3. Lista de procedimentos de laboratório clínico financiados com recursos UPC:

A atualização para 2021 incluiu novos procedimentos, como a medição de antiplaquetária (específico), o teste de avidez de anticorpos IgG de toxoplasma semiautomático ou automatizado, sequenciamento completo de BRCA1 e BRCA2 e, finalmente, mutação familiar conhecida de BRCA1 e BRCA2.

 

Apesar dessas novas inclusões e avanços na expansão do PBSUPC, as condições continuam a ser apresentadas para alguns medicamentos, por exemplo, Combinações de Dose Fixa (Art. 41) só são financiadas com o UPC quando as seguintes duas condições são atendidas simultaneamente: i) todos os princípios ativos que fazem parte do medicamento constam da lista do Anexo 1 e ii) o custo do tratamento com o medicamento combinado é igual ou inferior à soma do custo de cada um dos medicamentos, se utilizados como monofármacos separadamente.

 

Os casos acima e outros, como os radiofármacos (Art. 49), que só são financiados com o UPC "quando são necessários e insubstituíveis", podem continuar a representar barreiras ao reconhecimento e acordos entre prestadores e seguradoras.

 

Nos links a seguir você pode baixar os anexos técnicos em Excel da Resolução 2.481 de 2020.

 

Medicamentos POS 2021

Procedimentos PBS 2021

Procedimentos de laboratório PBS 2021

 

Para ver o blog sobre POS 2020 entre AQUI

 


Outros leitores de blogs viram


Referências

1. Congresso da República da Colômbia. Lei 1438 de 2011. Colômbia; 2011

2. Presidência da República da Colômbia. Decreto 2.562, de 10 de dezembro de 2012. 2012. p. 10

3. Ministério da Saúde e Proteção Social da Colômbia. Resolução número 0002481 de 24 de dezembro de 2020. 2020.

4. Ministério da Saúde e Proteção Social da Colômbia. O Plano de Benefícios de Saúde é atualizado a cargo da UPC. Boletim de Imprensa No 1064 de 2020. 30 de dezembro de 2020;

Compartilhe em facebook
Compartilhe em twitter
Compartilhe em linkedin
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Postagens em destaque
Tem um projeto semelhante

Agende uma videochamada e vamos conversar!

Inscreva-se no nosso blog